Tags

, , , , , , , , , ,

Nas redes sociais está rodando uma manifestação evangélica contra a novela da rede globo que tem em seu conteúdo a menção ao Orixá Ogum de forma sincrética a São Jorge dos católicos, mostrando mais uma vez o veneno saindo pelo canto da boca na mais pura realidade de intenção de ódio religioso.

Não é a única posição de alguns evangélicos que insistem em ploriferar ódio e desrespeito as pessoas e crenças, trazendo desconforto a pessoas de bem e ensinando as crianças que o ódio é uma coisa de Deus.

Eu nem gosto do sincretismo achamos que ele não é mais necessário em nossa sociedade e está mais que na hora de gritar o nome de Ogum e não falar em São Jorge. Não existe mais a chibata e nem o tronco e muito menos as correntes, o que realmente existe nesses novos tempos é a hipocrisia de uma sociedade e a perseguição religiosa que também é violenta, mas precisa ser combatida e enfrentada de maneira inteligente sem armas de uma maneira que se tenha um enfrentamento claro e uma posição que devemos articular, pois a intolerância religiosa que sofremos nada mais é do que o racismo que tivemos que suportar por séculos.

O Povo do Axé tem tido um posicionamento pacífico, mas precisa se articular para que não nos enviem para as matas fechadas outra vez.

O racismo institucional precisa ser combatido, somos uma nação dentro de outra nação e sempre seremos parte deste Brasil de diversidades que precisa ser respeitoso e mais humanizado.

A novela fala do Brasil, da tradição africana em terras deste país nao deveria ser motivação pela ignorancia do racismo.

“Se Palmares não existe mais, faremos Palmares de novo”.

Por: Oluandeji