Tags

,

A partir de fevereiro de 2013, as comunidades quilombolas de Sergipe terão a oportunidade de se alfabetizarem por meio do Programa Sergipe Alfabetizado. O objetivo é abrir o acesso à cidadania despertando o interesse pela elevação da escolaridade nas comunidades quilombolas e de religiosidade de matriz africana.

De acordo com o diretor do Programa Sergipe Alfabetizado, José Genivaldo Mártires, o projeto pretende beneficiar todas as comunidades. “Esse ano nós resolvemos ampliar as parcerias entre a SEED e a Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e da Cidadania no intuito de fortalecer as comunidades afrodescendentes quilombolas e criar salas de alfabetização para o público não alfabetizado”, afirma. “Nós estamos fazendo uma reunião para começar o processo de mobilização nessas comunidades. Daqui para janeiro é o período natural da formação dos núcleos de salas de aula”, conta.

Uma comunidade a ser beneficiada será a comunidade Quilombola do Crasto, no município de Santa Luzia do Itanhy. Segundo o representante da comunidade, Erisvaldo dos Santos, atualmente, a comunidade conta com cerca de 419 famílias.

“Essas famílias vivem exclusivamente da pesca. Esse projeto vai ser viável, porque a educação é base de tudo. A marisqueira e os pescadores não sabem sobre os seus direitos, nem o que é seguro desemprego. E esse projeto vai dar direito a ele a ler e escrever e a reconhecer o seu direito como quilombola”, garante.

Projeto – O programa Sergipe Alfabetizado está em consonância com o Programa Brasil Alfabetizado do Governo Federal e tem como meta iniciar o processo de alfabetização de jovens e adultos para erradicar o analfabetismo no Brasil.

O assessor técnico de Política de Ação da Sedhuc, José Cláudio D’Eça, destacou a importância do projeto. “Os dados de 2009 comprovam que 40% a 50% dessas pessoas não sabem ler nem escrever, mas é bom observar que mesmo tendo essas dificuldades, elas não querem se mostrar pela questão do preconceito e de não se apresentar como analfabetos. Esse projeto pretende modificar essa realidade e oferecer oportunidades a essas pessoas”, diz.

Fonte: Infonet

 

Anúncios