Tags

, , , , , ,

dennis oliveiraA Pró-Reitoria de Graduação (PRG) da Universidade de São Paulo apresentou os dados preliminares sobre inclusão social na instituição com o objetivo de propiciar uma avaliação do Inclusp – programa que concede bônus a alunos de escolas públicas no vestibular da Fuvest.

Por Dennis de Oliveira*

Segundo os dados apresentados pela PRG, no ano de 2012, 28,03% dos alunos matriculados na universidade vinham de escola pública. O pico do percentual de alunos de escolas públicas matriculados na universidade foi em 2009 (29,62%).

UNE: Com as cotas, o Brasil resgata mais uma grande dívida

O Núcleo de Consciência Negra da USP vem lutando pela adoção de cotas raciais na universidade, com apoio de outras entidades do movimento negro como o Educafro, o Instituto Luiz Gama e o Ceert. Em sua última reunião, o Conselho Universitário discutiu o tema e aprovou que a instituição realizaria uma série de seminários para discutir o assunto. O primeiro será realizado no dia 4 de dezembro, as 14h no auditório da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia e está sendo organizado por uma comissão vinculada à Secretaria Geral da universidade.

Os dados apresentados pela PRG no tocante à questão racial indicam questões importantes para serem refletidas sobre este problema. O primeiro deles é o descompasso entre o percentual de alunos negros (pretos e pardos) e indígenas inscritos no vestibular e os matriculados (portanto, que foram aprovados no processo seletivo e entraram nos cursos). A tabela abaixo mostra que sempre há um descompasso entre estes números:

Fonte: PRG/USP

A PRG não apresentou os dados de inscritos e matriculados dos outros grupos étnicos – brancos e amarelos – mas se deduz que, se há uma redução na participação percentual de negros e indígenas do grupo de inscritos para o grupo de matriculados, há um aumento da participação dos outros grupos. Em outras palavras, o processo seletivo da Fuvest opera como um mecanismo de branqueamento ou amarelização.

Foram apresentados, porém, dados referentes aos cursos de Medicina, Letras e Engenharia de todos os grupos étnicos. Com estes dados, é possível visualizar a situação de forma mais nítida.

No curso de Medicina, o percentual de negros inscritos no vestibular de 2012 foi de 16,4%; porém, entre os matriculados no curso, o percentual foi de 9,1%. Inversamente, entre os amarelos, havia 6,3% de inscritos, mas 16,7% de matriculados. Imaginando um universo de 1.000 vestibulandos disputando 20 vagas (a concorrência do curso de Medicina em 2012 foi de 52 por vaga); haveria 770 brancos, 167 negros, 63 amarelos. Após o processo seletivo, de cada 20 vagas, teríamos 15 brancos, 3 amarelos e 2 negros.
Assim, um em cada 20 amarelos passa, assim como um em cada 51 brancos. Entre os negros, apenas um em cada 80. Há, assim, quatro vezes mais chances de um amarelo passar no vestibular de Medicina que um negro.

Nas engenharias, a situação é semelhante. Em 2012, 74% os inscritos para a carreira eram brancos, 16% negros e 10% amarelos. Entre os matriculados naquele ano, 76% brancos, 8,9% negros e 15,2% amarelos. A concorrência no vestibular de 2012 foi de 16 por vaga aproximadamente. Por estes dados, foi aprovado um em cada 10,67 amarelos; um em cada 15,58 brancos e um em cada 28,45 negros. Há 2,66 vezes mais chances de um amarelo passar em engenharia que um negro. As chances de um branco passar são 1,82 vezes maiores que um negro.

Se há uma “amarelização” da Medicina e Engenharia temos um “branqueamento” no curso de Letras. Segundo os dados apresentados pela PRG/USP, em 2012, 69,9% dos inscritos no curso eram brancos, 24,8% negros e 4,9% amarelos. Dos matriculados, 77,5% eram brancos , 19% negros e 3,1% amarelos. A concorrência do curso foi de 3,89 por vaga.

Arrendondando a concorrência para 4 por vaga, de cada 400 alunos que disputariam 100 vagas, teríamos 280 brancos, 100 negros e 20 amarelos. Dos 100 matriculados, 77 seriam brancos, 19 negros e 3 amarelos. De cada 3,6 brancos um seria aprovado, contra um em cada 5,26 negros e um em cada 6,66 anarelos. Neste caso, as chances de um branco ser aprovado no vestibular de Letras é 1,45 vezes maior que um negro.

Assim, os dados preliminares apresentados pela Pró-Reitoria de Graduação da USP demonstram que o programa de bônus de pontuação a alunos de escolas públicas existente no vestibular da universidade não tem reduzido de forma significativa as barreiras raciais. As assimetrias raciais que prejudicam a população negra continuam se reproduzindo, mantendo a desigualdade de oportunidades.

*Dennis de Oliveira é jornalista e colunista da Revista Fórum

Fonte: Revista Fórum

 

Anúncios