Tags

, , , , ,

Em breve, o cavalo de São Jorge da Praça Pardinho, em Sulacap, não ficará mais sozinho. Destruída e arrancada à força por um evangélico, a imagem do Guerreiro já foi restaurada e será recolocada numa grande inauguração, que será feita no próximo dia 23 de novembro. Moradores revoltados pela depredação do monumento, ocorrida no dia 25 de setembro, já comemoram a volta de seu São Jorge.

Era uma noite chuvosa quando Fábio Safira disse ter recebido um chamado do Senhor para que a imagem fosse destruída. Como o monumento é cercado por grades, ele usou uma escada para ter acesso à imagem. Primeiro, tentou arrancar a cabeça com uma pedra. Depois, com a ajuda de uma barra de ferro, jogou São Jorge ao chão e arrancou a cabeça.

Antes de ir embora, levando a cabeça como se fosse um troféu, ele subiu no cavalo e começou a gritar frases desconexas. Um morador que passava pelo local viu a cena e decidiu chamar policiais militares que estavam próximos. Fábio foi levado à 33ª DP (Realengo), onde foi autuado pelo crime de preconceito de raça, etnia, religião ou procedência nacional. Ele está preso em uma penitenciária, em Japeri, por se tratar de crime inafiançável.

No depoimento, ele admitiu que, por ser da religião evangélica, não tolera imagens de santos. O delegado Carlos Augusto Nogueira Pinto decidiu autuar o acusado no crime de intolerância Religiosa e não por danos ao patrimônio.

— Esse tipo de manifestação não deve ser nunca tolerável. Cada um tem o direito de se manifestar religiosamente da maneira que quiser — afirmou.

Estátua de São Jorge depredada

Porta-voz da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, o babalaô Ivanir dos Santos fala sobre a importância de enfrentar e discutir o vandalismo e os atos de violência.

Por que a rejeição tão forte a São Jorge por algumas seitas?

São Jorge é o santo católico mais identificado com as religiões de tradição africana. Temos que encarar esse debate de forma madura, porque o vandalismo cresce. E pedir às autoridades providências contra atos violentos que possam surgir.

Como agir diante de atos de vandalismo?

As pessoas podem recorrer à comissão, que vamos agir com o Ministério Público. Se as Praças da Bíblia, de vários lugares, são respeitadas, as de São Jorge e dos Pretos-Velhos, em Inhoaíba, também têm que ser.

Houve outras agressões a esculturas religiosas?

Havia uma obra de um escultor baiano, chamada Exu dos ventos, que foi colocada na entrada da Linha Amarela. Foi depredada pelo mesmo motivo, retirada para conserto e hoje está fora do lugar. Até hoje não recolocaram. São sempre reação deles. Ninguém nunca depredou nenhuma Praça da Bíblia, há algumas construídas com dinheiro público. E todos, de todas as outras religiões, respeitam.

Fonte: Extra.Globo

Infelizmente, a arrogância e o ódio de algumas pessoas que se dizem cristãos ou evangélicos saíram de suas igrejas e chegou à estátua de São Jorge em forma de violência e profundo desrespeito a fé alheia.

A constituição é clara que todos os brasileiros têm direitos preservados a sua fé ou não ter fé nenhuma, mas é crime usar de violência verbal e corporal em nome de uma religião para agredir outro cidadão.

São os velhos tempos que estão voltando e interferindo na paz e harmonia entre os seres humanos e digo que a solução está nas mãos aos que são verdadeiros religiosos a darem valor na diversidade e lutarem contra a ignorância de alguns que usam desse ódio para professar sua própria fé.

 

Oluandeji

Anúncios