Tags

, , , ,

Na tarde desta quinta-feira (15), umbandistas se reuniram na avenida Marechal Castelo Branco, ao lado da imagem de Iemanjá, protestando contra a intolerância e reivindicando que a estátua vire patrimônio. O ato acontece em meio as comemorações do Dia Nacional da Umbanda.

Presidente da Rede Estadual de Cultos Afros, Mãe Eufrazina Gomes Aurélio, afirmou que vai solicitar o tombamento da imagem, que foi depredada por oito vezes nos últimos três anos.

“Estamos aqui pedindo respeito para acabar com a intolerância religiosa. Na Umbanda não existe preconceito de raça, nem de cor”, declarou em meio ao protesto, com faixas e carros de som que fecharam a avenida.

A Rede está fazendo um levantamento do prejuízo dos danos provocados na imagem, que vão desde apedrejamentos a até  marcas de queimaduras.

Segundo Mãe Eufrazina, no último mapeamento feito foram encontrados mais de 480 tendas e terreiros em Teresina. Representantes deles foram até a imagem do bairro Ilhotas, zona Sul da capital, participar do ato. Pares e pastores evangélicos também foram convidados para participar da manifestação.

O cantor e compositor Benício Ben, umbandista praticante há um ano, afirmou que o ato de hoje marca o início da luta pelo direito da liberdade de expressão e contra a intolerância. “Que se respeite a Umbanda. As pessoas só vão conseguir viver em paz e união com respeito as religiões”.

Assunção Aguiar, filha de santo e líder do grupo afrocultural Coisa de Nêgo, destaca que a principal intolerância vivida pelos umbandistas é tentativa de retirar a identidade da religião, inclusive danificando imagens.

“Muitas religiões perseguem os umbandistas. Dizem que vivemos em um estado laico, mas isso nunca chegou para a umbanda. tudo é muito difícil”, disse. Ela ressalta que a água é sagrada para os umbandistas e pediu socorro ao rio Poty, que margeia a avenida Marechal e está morrendo 

Yala Sena (flash do local)

Fábio Lima (Da Redação)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: CidadeVerde.com
Anúncios