Tags

, , , , , , , , , ,

Cerca de 300 integrantes do “Comitê contra o genocídio da população negra, pobre e periférica” ocuparam a sede da Secretaria de Justiça de São Paulo, nesta quinta-feira (22). A ação ocorreu por volta das 11h30, no dia em que o novo secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, assumiu o cargo. As operações policiais nas periferias da capital e municípios da Grande São Paulo são o principal alvo do protesto.

O confronto entre policiais e crime organizado fez disparar os índices de violência no estado. Somente nas três primeiras semanas deste mês, 130 pessoas foram mortas na capital. Já a Região Metropolitana registrou pelo menos 18 chacinas em 2012.

O Comitê divulgou uma carta assinada por mais de 80 organizações, exigindo que “todos os casos de mortes de civis por policiais sob alegação de confronto sejam registrados e investigados como homicídios”. O fim dos “autos de resistência” ou “resistência seguida de morte” é uma das principais demandas apresentadas pelos movimentos às autoridades públicas. (Leia a carta na íntegra).

Entre outras pautas, as organizações defendem o fim da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e desmilitarização das Polícias; levantamento das identidades, boletins de ocorrência e Certidões de Óbito de todos os civis assassinados no estado em 2012; e o controle popular e externo de toda atividade policial – por meio de Ouvidorias, Corregedorias e Defensoria Pública.

Os movimentos ainda exigem a responsabilização do governador Geraldo Alckmin e a abertura da “CPI das Polícias e dos Grupos de Extermínio”.

O Comitê é formado por redes de familiares de vítimas diretas da violência, organizações do movimento social e negro, cursinhos comunitários, sindicatos, associações, saraus periféricos, posses de hip-hop, entre outras entidades representativas da sociedade civil.

Fonte: Brasil de Fato