Tags

, , , ,

Foi enterrado por volta das 11h (horário da Bahia), em Santo Amaro da Purificação, o corpo de Dona Canô, que morreu aos 105 anos na manhã de terça-feira (25). Os amigos e familiares se despediram da matriarca, mãe de Caetano e Bethânia, nesta quarta-feira (26), no cemitério da cidade. O corpo de Dona Canô chegou em cortejo que saiu da Igreja da Matriz após missa de corpo presente.

Maria Bethânia seguiu ajudando a carregar o caixão da mãe, que foi coberto por uma bandeira de Santo Amaro. Além da família, estiveram presentes a cantora Margareth Menezes, acompanhada do marido; o presidente da Rede Bahia, ACM Junior; e o prefeito eleito de Salvador, ACM Neto (DEM).

A missa foi celebrada por Dom Giovani, bispo auxiliar de Salvador, e por monsenhor Valter Pinto, pároco da Igreja da Matriz. O Coral Miguel Lima, do qual Dona Canô já fez parte em Santo Amaro, apresentou-se durante a cerimônia.

A matriarca, de 105 anos, morreu na manhã de terça-feira, em casa, na companhia dos filhos após passar a noite de Natal com eles. Caetano e Bethânia acompanharam o velório da mãe, que começou na residência da família com acesso restrito aos mais próximos. Depois, outros amigos e admiradores tiveram acesso à cerimônia realizada no Memorial Caetano Veloso, na Praça da Purificação, no centro da cidade, onde o velório se estendeu até a manhã desta quarta-feira.

O corpo de Dona Canô saiu da casa da família no final da tarde de terça-feira em um cortejo até o Memorial marcado pela emoção e muitos aplausos. Caetano de Bethânia não falaram com a imprensa sobre a morte da mãe.

Dona Canô esteve internada por seis dias. Ela recebeu alta do Hospital São Rafael, em Salvador, na sexta-feira (21). Ela sofreu um ataque isquêmico cerebral, o que gerou redução do fluxo de sangue nas artérias do cérebro, segundo boletim médico.

De acordo com informações de Edson Nascimento, amigo da família, Dona Canô pediu um vestido novo e branco para deixar o hospital. Foi com ele que ela foi vestida para a casa, acompanhada da filha Mabel. Maria Bethânia acompanhou a transferência da mãe em outro carro.

A matriarca teve oito filhos. Em outubro de 2011, Dona Canô perdeu a filha adotiva Eunice Veloso, aos 83 anos, que morreu com insuficiência respiratória. O filho famoso, o compositor Caetano, completou 70 anos em agosto deste ano. Em dezembro, a matriarca da família assistiu ao show da nova turnê da filha Maria Bethânia, no Teatro Castro Alves.

No dia 16 de setembro de 2012, Dona Canô completou 105 anos e, como tradicionalmente fazia, reuniu amigos e a família em missa e comemoração em casa, na cidade de Santo Amaro. Estiveram na festa os filhos Caetano Veloso e Maria Bethânia e a amiga Regina Casé. Quem celebrou a missa foi o padre Reginaldo Manzotti.

Biografia
Nascida em 16 de setembro de 1907, Claudionor Viana Teles Veloso construiu sua história no Recôncavo Baiano, no município de Santo Amaro da Purificação. Os filhos biológicos são Clara, Roberto, Caetano, Bethânia, Rodrigo e Mabel. Dona Canô adotou as filhas Irene e Nicinha. Era viúva de “Seu Zeca”, que morreu em 1983, com 82 anos.

Conhecida por sua personalidade forte e receptividade, Dona Canô participava sempre da tradicional Festa de Reis em Santo Amaro, que reúne milhares de pessoas em toda região. A celebração de seus aniversários também se tornou um marco, atraindo muitas pessoas para a festa.

Dona Canô sempre aparecia vestida toda de branco em seus aniversários. Quando completou o centenário, a missa foi celebrada pelo então arcebispo primaz do Brasil, cardeal Dom Geraldo Majella. De Dom Geraldo, Dona Canô recebeu a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida.

Depois das comemorações em Santo Amaro, Dona Canô foi para um hotel festejar os 100 anos. Ela foi recebida pela família e pelos amigos mais próximos. O então ministro da Cultura, Gilberto Gil, entregou à Dona Canô uma carta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em julho de 2011, Lula visitou pessoalmente Dona Canô em Santo Amaro.

Atrás da aparência frágil, com um corpo miúdo e fala mansa, Dona Canô escondia a longevidade de poucos e a saúde considerada “de ferro”. Ela repetiu em diversas oportunidades que era dona de uma fama que sempre disse não entender o motivo, referindo-se ao intenso interesse da imprensa sobre ela e sua vida em Santo Amaro da Purificação.

Autêntica e mãe de dois grandes nomes da Música Popular Brasileira, Dona Canô se tornou um símbolo não só de Santo Amaro, como do Recôncavo Baiano. Sempre lutou para melhorar a cidade e acolheu os moradores como uma mãe.

O sobrado de número 179, no centro de Santo Amaro, se tornou um dos pontos turísticos do município. A casa onde residiu Dona Canô e a família Veloso sempre esteve com as portas abertas para baianos e turistas.

No casarão antigo, as paredes são cobertas de fotografias e histórias dela e de toda família. Fotografias com o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-senador Antônio Carlos Magalhães ganham destaque na parede da sala.

Nas entrevistas que dava para a imprensa, Dona Canô costumava destacar a felicidade que sentia ao poder ter vivido o suficiente para acompanhar o crescimento dos filhos e netos, tendo até conhecido os bisnetos. Sua lucidez a acompanhou até os últimos dias de vida.

Ativa, era sempre Dona Canô quem cuidava das contas de casa e decidia o cardápio na cozinha. Também sempre foi muito conhecida pela vaidade. Foi uma mulher marcada pela religiosidade. Em casa, guardava há anos várias imagens religiosas. A maioria foi dada por amigos e até por desconhecidos. Foi com a ajuda da matriarca que a festa de Nossa Senhora da Purificação transformou-se em um evento famoso na Bahia.

Uma das principais comemorações de aniversário foram os 100 anos de Dona Canô em 2007. O dia foi de flores, presentes e visitas de amigos e dos filhos. Na igreja de Nossa Senhora da Purificação, foi realizada uma missa em homenagem à matriarca. A imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida foi levada de São Paulo especialmente para a ocasião. A matriarca dos Veloso ficou pouco tempo na igreja, porque se emocionou bastante. Maria Bethânia cantou “Romaria” em homenagem à mãe e assim que terminou a música, abraçou Dona Canô.

Sobre a história construída nos 105 anos de vida em Santo Amaro, Dona Canô disse em entrevista este ano que não conseguia esquecer de quando passeava com os amigos nas usinas de açúcar da cidade. “A cidade cresceu, as coisas ficaram longe, os bondes eram importantes”, contou ao G1 no mês de setembro.

Despedida
Mãe Carmen, do Terreiro do Gantois, em Salvador, esteve na casa da matriarca, na tarde de terça-feira. Ela deixou o local por volta das 18h, amparada por Clara, filha mais velha de Dona Canô, e por Paula Lavigne, ex-mulher de Caetano.


“Estou com o coração destroçado. Olorum está guardando um lugar para ela no céu”, disse a ialorixá.

Caetano e Paula chegaram à casa da família Veloso no fim da tarde e entraram pelos fundos, onde não havia imprensa.

“Fica a lição de amor, de guerreira, uma mãe exemplar. Fica a saudade e a certeza que ela está em um lugar bom. Isso também nos dá um conforto. Bacana ter sido em um dia de Natal, isso é lindo”, disse o filho Rodrigo. Segundo ele, na segunda-feira (24), os médicos avisaram que os batimentos cardíacos dela estavam fracos.

Fotos: Lílian Marques/G1 e Reprodução/TV Bahia

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: G1

 

Anúncios