Tags

, , ,

268570_345165398924516_1479123652_nJá tinha ouvido dizer sobre o Racismo da doutrina Alan Kardec e me lembrei que quando Zélio foi expulso de uma mesa branca foi porque o espírito encorporado tinha sido um preto velho no qual não tinha o mesmo glamour que espíritos de frades, padres e médicos.

Por: Oluandeji

O texto abaixo encontrei no face

Aqui você vai ler uma coletânea com 7 citações de Alan Kardec referente aos negros. São MUITAS afirmações racistas, todas elas com fonte para pesquisa.
Preparada(o)?

Mas ANTES a gente queria dizer algumas coisas.

1- O espiritismo Kardecista de hoje tem tantos negros quanto brancos e é extremamente desconfortável aceitar a verdade como ela se apresenta. Em vez disso, o caminho mais fácil para alguns Karcecistas é inventar desculpas esfarrapadas. É o que vocês verão aqui nos comentários, com certeza.

2- Aqui é uma página de Iconoclastia, a gente não curte a idolatria. Estamos sendo coerentes com a nossa proposta. Se você é negro e segue este cara, o problema é seu. Saiba que o humano Kardec é um militante ativo do racismo, sempre que houve a oportunidade dele se manifestar CONTRA os negros ele o fez com todo seu esforço e paixão.

3- Não podemos generalizar as palavras de Alan Kardec para o espiritismo em geral, visto que muitas religiões são espíritas, como as que seguem a Krishna, outras religiões orientais e quase todas as religiões Africanas, incluindo as Afro brasileiras.

4- Uma vez tentaram dizer que Kardec era inocente dessas acusações, pois ele apenas transcreveu o que os ESPÍRITOS DE LUZ disseram a ele por via de uns médiuns. Na boa, essa explicação é terrível! Com isso aceitamos que são os elevados Espíritos de Luz os racistas, ou seja, negro é inferior mesmo.

5- Nessas citações que veremos agora tem frases ditas pelos Espíritos de Luz e tem frases do Alan Kardec mesmo. As frases do Livro dos Espíritos são dos Espíritos de Luz, OU SEJA, São os espíritos mais elevados deste espiritismo condenando o negro e o chinês.

6- Cientificamente falando, RAÇAS NÃO EXISTEM. Então desculpem aqui o uso do termo, foi só pra tornar a leitura mais POP.

Se você é espírita Kardecista, prepare-se. Algo vai acontecer aqui.

1- “Os negros, pois, como organização física, serão sempre os mesmos; como Espíritos, sem dúvida, são uma raça inferior, quer dizer, primitiva; são verdadeiras crianças às quais pode-se ensinar muita coisa;” (Allan Kardec, “Perfectibilidade da raça negra” Revue Spirite, Abril de 1862)
_______________________________

2- “Sob o mesmo envoltório, quer dizer, com os mesmos instrumentos de manifestação do pensamento, as raças não são perfectíveis senão em limites estreitos, pelas razões que desenvolvemos. Eis por que a raça negra, enquanto raça negra, corporeamente falando, jamais alcançará o nível das raças caucásicas; mas, enquanto Espíritos, é outra coisa; ela pode se tornar, e se tornará, o que somos; somente ser-lhe-á preciso tempo e melhores instrumentos. Eis porque as raças selvagens, mesmo em contato com a civilização, permanecem sempre selvagens; mas, à medida que as raças civilizadas se ampliam, as raças selvagens diminuem, até que desapareçam completamente, como desapareceram as raças dos Caraíbas, dos Guanches, e outras. Os corpos desapareceram, mas em se tornaram os Espíritos? Mais de um, talvez, esteja entre nós”. (Allan Kardec, “Perfectibilidade da raça negra” Revue Spirite, Abril de 1862)
________________________________

3- “O progresso não foi, pois, uniforme em toda a espécie humana; as raças mais inteligentes naturalmente progrediram mais que as outras, sem contar que os Espíritos, recentemente nascidos na vida espiritual, vindo a se encarnar sobre a Terra desde que chegaram em primeiro lugar, tornam mais sensíveis a diferença do progresso Com efeito, seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacos, que aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados”
(Allan Kardec, A Gênese, ed. LAKE p. 187).
__________________________________

4- “Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão ?” (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 127). Quando fala em Hotentote, os Hotentotes são uma raça de Africanos relativamente pequenos e as mulheres tem bunda grande.
_____________________________________

5- “Esses Espíritos dos selvagens, entretanto pertencem à humanidade; atingirão um dia o nível de seus irmãos mais velhos, mas certamente isso não se dará no corpo da mesma raça física, impróprio a certo desenvolvimento intelectual e moral. Quando o instrumento não estiver mais em relação ao desenvolvimento, emigrarão de tal ambiente para se encarnar num grau superior, e assim por diante, até que hajam conquistado todos os graus terrestres, depois do que deixarão a Terra para passar a mundos mais e mais adiantados” (Revue Spirite, abril de 1863, pág. 97: Perfectibilidade da raça negra, in Allan Kardec, A Gênese, Lake _ Livraria Allan Kardec editora, São Paulo, p. 187).

___________________________________

6- “Mas, então, porque nós, civilizados, esclarecidos, nascemos na Europa antes que na Oceania? Em corpos brancos antes que em corpos negros? Por que um ponto de partida tão diferente, se não se progride senão como Espírito? Por que Deus nos isentou do longo caminho que o selvagem deve percorrer? Nossas almas seriam de uma outra natureza que a sua? Por que, então, procurar fazê-lo cristão? Se o fazeis cristão, é que o olhais como vosso igual diante de Deus; se é vosso igual diante de Deus, porque Deus vos concede privilégios? Agiríeis inutilmente, não chegaríeis a nenhuma solução senão admitindo, para nós um progresso anterior, para o selvagem um progresso ulterior; se a alma do selvagem deve progredir ulteriormente, é que ela nos alcançará; se progredimos anteriormente, é que fomos selvagens, porque, se o ponto de partida for diferente, não há mais justiça, e se Deus não é justo, não é Deus. Eis, pois, forçosamente, duas existências extremas: a do selvagem e a do homem mais civilizado.” (Allan Kardec, “Perfectibilidade da raça negra” Revue Spirite, Abril de 1862)

________________________________

7- O exame frenológico dos povos pouco inteligentes constata a predominância das faculdades instintivas, e a atrofia dos órgãos da inteligência. O que é excepcional nos povos avançados, é a regra em certas raças. Por que isto? É um injusta preferência? Não, é a sabedoria. A natureza é sempre previdente; nada faz de inútil; ora, seria uma coisa inútil dar um instrumento completo a quem não tem meios de se servir dele. Os Espíritos selvagens são Espíritos de crianças, podendo assim se exprimir; entre eles, muitas faculdades ainda estão latentes. Que faria, pois, o Espírito de um Hotentote no corpo de um Arago? Seria como aquele que não sabe a música diante de um excelente piano. Por um razão inversa, que faria o Espírito de Arago no corpo de um Hotentote? Seria como Liszt diante de um piano que não teria senão algumas más cordas falsas, às quais seu talento jamais chegaria a dar sons harmoniosos.” (Allan Kardec, “Perfectibilidade da raça negra” Revue Spirite, Abril de 1862).

___________________________________

Chega, né? Na verdade existem MAIS citações (muito mais, na real). Como eu disse antes, Alan Kardec se dedicou à causa racista com uma paixão que nem Hitler depositou contra os Judeus.
Aqui a gente vai mostra Kardec como ele realmente é: um burguês etnocentrista e preconceituoso da França do século XIX.

Kardecista: Por que o seu dogma não se afeta com isso? Que mecanismo é esse que mesmo a luz das provas, mantém você preso a um ideal? Por que não tenta se libertar e ousar levantar questões contra aquilo que lavou sua mente?
Essa pergunta serve a todos aqueles que não ousam questionar suas crenças. Por que não lutam para ter um espírito crítico e uma mente livre?
Fica o convite: que todos tenham valentia para enfrentar os seus tabus.

Anúncios