Tags

, ,

Liberdade de Expressão?

Intolerância Religiosa?

Racismo?

Ao Passear pelo Face Book, cliquei no vídeo do amigo Francisco Thiago Vasconcelos e me surpreendi com um programa de comédia que remete a algumas realidades, desde a guerra entre as religiões e não religiosos, mas principalmente ao ódio da ignorância gerada pela fé.
Eu como candomblecista por vezes desagrado alguns amigos cristãos quando aponto os erros deste seguimento religioso, quando digo sobre a escravidão, as parcerias com Hitler e Mussolini, as cruzadas, as fogueiras que queimavam as tais bruxas, as mulheres decapitadas por “N” motivos e todo um processo truculento que vem vindo pela história desde que o Papa Nicolau lV incentivou oprimir, subjulgar, escravizar e até matar os negros, mas infelizmente não consigo deixar de salientar a história que nos excluiu e que matou milhões de Africanos e levou a população negra em todas as partes do mundo a um processo que degeneração sem ao menos tentar reparar esse mal iniciado por eles e presente ainda nos dias de hoje.
Temos que nos atentar também aos novos cristãos, lembrando os grandes líderes novos como Malafaia, Edir Macedo e Valdomiro que incitam o ódio e usam do dinheiro e do poder para que de alguma forma sejam coibida ou extinta as diferenças e é claro as religiões de Matriz Africana.
No vídeo abaixo podemos perceber que religiosos cristãos possuem suas diferenças ideológicas e os ateus em sua maioria travam uma luta de estudo para provar que outros estão errados, mas os terreiros é o único assunto que unem estas pessoas contra alguma coisa, fica bem claro em tom de brincadeira que podem existir diferenças entre eles, mas é em nós o foco do ódio.
Eu nunca fui a um terreiro e presenciei o Sacerdote parando seu Xirê/Kizomba para falar de outra religião e a cada dia que passa tenho mais certeza que a paz, o amor não podem ter representantes do ódio da ignorância. Claro que não são todos os cristãos e nem são todos os ateus, mas quem sofre com isso com certeza são todos os religiosos afros brasileiros.
Por: Oluandeji