Tags

, ,

Meu nome é Mário Filho, sou policial militar, Sacerdote de religião afro-brasileira e pesquisador das questões de intolerância religiosa. Sou autor da pesquisa, “Ações Afirmativas na Polícia Militar do Estado de São Paulo em sua relação com as comunidades Afro-religiosas no Município de São Paulo”, na qual apresento e discuto eventos de intolerância religiosa envolvendo policiais militares e membros das comunidades de praticantes de religiões de matrizes africana e afro-brasileiras, especialmente os acontecidos no atendimento de ocorrências relacionadas às perturbações de sossego público e da tranquilidade.
É no atendimento dessas ocorrências que normalmente há o contato entre os membros das citadas comunidades e policiais militares de serviço. Analiso os princípios da intolerância religiosa e o quanto ela influencia o trabalho dos policiais militares, por meio do estudo de casos relatados, acontecidos entre os anos de 2002 e 20012; de entrevistas com sacerdotes e sacerdotisas, bem como de policiais militares adeptos de religiões de matrizes africana e afro-brasileiras. Discuto, também, a questão das ações afirmativas no ordenamento jurídico brasileiro e como elas podem ser aplicadas na Polícia Militar do Estado de São Paulo de forma a que os problemas apontados diminuam e, quiçá, desapareçam, provocando assim uma maior aproximação entre a Polícia Militar e as comunidades-terreiro. Abordo, ainda, a questão do racismo institucional na Polícia Militar, apontando propostas para que se extirpe esse sentimento de aversão que muitos policiais possuem em relação àquilo que é parte da nossa história, ou seja, a afro-religiosidade.
Minha pesquisa será apresentada em um Seminário no Centro de Altos Estudos de Segurança e será a primeira vez que se debaterão, na Polícia Militar, as ações afirmativas em sua relação com Comunidades-terreiro. Cento e cinquenta Oficiais da Polícia Militar, alunos de Mestrado e Doutorado Profissional em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública, participarão da exposição como ouvintes.

Acredito que seja primordial e essencial a participação do “Povo do Santo”, pesquisadores, acadêmicos e jornalistas nesse encontro, para que percebam que há a preocupação da Instituição em mudar a questão da intolerância.

Desde já agradeço,
Mário Alves da Silva
Data: 29 de abril de 2013
Horário: 09:00 h
Local: Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES)
Rua Jorge Miranda, 658. Luz (próximo ao Metrô Tiradentes) – São Paulo

554249_505566109490763_692057439_n