Exu: A Dialética da Religiosidade Africana que reflete na Religião Afro-Brasileira (Parte 1)

O que é dialética? A dialética vem do grego e do latim (dialectica e dialectice). É um método que se assenta na contradição e contraposição de ideias, gerando outras ideias a partir de argumentação. Literalmente significa “caminho entre as ideias”, a arte do diálogo. De acordo com os intelectuais a dialética se fundamenta na filosofia ocidental e oriental. Percebamos então que: existem segundo a cosmovisão ocidental dois nomes de filósofos fundadores da dialética Zenão de Eleia (490-430 a.C.) e Sócrates (469-399 a.C.). Diz-se que os métodos dialéticos mais conhecidos são os de Hegel (1770-1831). Contudo concordando com Ngoenha (1993)[1]quando faz analisa as correntes filosóficas explicitando que a filosofia ocidental descarta a filosofia africana.  Ora, se os filósofos gregos estudavam na biblioteca da cidade de Alexandria, e essa era uma importante cidade egípcia, logo a filosofia nasce no Egito, na África com filósofos africanos. Os filósofos ocidentais que beberam na fonte da filosofia africana.

A África sendo o berço da humanidade, naturalmente não teria sobrevivido até a colonização sem tradição e filosofia. Munanga (2009)[2], Ki-zerbo (2006)[3], Luz (2000)[4], Altuna(1985)[5], Obenga(2004)[6] afirmam que existe uma filosofia, ou seja, uma cosmovisão africana que concluímos ser banto e ioruba. As duas fazem parte do cenário brasileiro e estão imbricadas nas religiões de matriz africana. Existe uma unidade na diversidade de acordo com os autores acima, o que caracteriza o continente africano: religiosidade, energia vital (para nós da religião de matriz africana chamamos de axé) e valorização da natureza; circularidade, o que explica dançarmos o candomblé numa roda e jogarmos capoeira também numa roda. Nesse espaço célebre a hierarquia respeita a antiguidade, ou seja, quem é mais velho no santo ou na capoeira, o mestre. O poder não passa pela posse financeira.

A filosofia tradicional africana não contempla a contradição (bem x mau) / (céu x inferno). Essas dois adjetivos se inseriram na realidade africana a partir do islamismo, catolicismo e na atualidade com o neo-pentencostalismo. A filosofia africana crê que o mundo deva ser equilibrado. Esse equilíbrio segundo a filosofia egípcia é Maat[7]. O mau e bem são energias que nos circundam, e a energia negativa (que não é a personificação da imagem do demônio, nem do satanás), é a causa do desequilíbrio. Logo, nessa cosmovisão os humanos podem direcionar bem ou mal as energias, causando bem ou mal para si e para os outros. Por que a filosofia Ubuntu, consiste em ‘existimos por que os outros existem’, e esses outros, são todos os seres animais, vegetais e minerais. Certamente a energia negativa provoca desequilíbrio e resulta nas nossas faltas. Essas faltas podem ser perdoadas, amenizadas e promover equilíbrio e são corrigidas por meio das oferendas a Deus, através dos Oirxás e Ancestrais.

A vida deve ser vivida agora, e a felicidade deve fazer parte da vida, vida essa que está respeitando um ciclo entre dois mundos o material Aiyê e o espiritual Orun. Somos todos/as energia, que num movimento circular retorna à sua origem: Deus. A morte é um rito de passagem para a vida espiritual, logo, a morte inexiste. Morrer é, não deixar descendentes. A religião tradicional africana é uma religião de vida e não de sacrifícios, nem de morte. Por essa razão dançamos e cantamos quando celebramos. A energia está na música e no som dos tambores, a nossa voz é o tambor!

Nessa religião existem: Deus entidade inquestionável; os seres divinizados (orixás), entidade representantes dos fenômenos da natureza e os ancestrais (eguns)[8]. Dentre os orixás existe um, o EXU, ele  me fez pensar na filosofia e na dialética. Por que esse orixá é tudo que há na natureza humana, amor, ódio, graça, sensatez, insensatez, humor, logo cada homem e mulher possui um EXU! O que é o EXU??

BIBLIOGRAFIA ELETRÔNICA

Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Dial%C3%A9tica>. Acesso em 29 jan, 2012. 15:27.

Dicponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandria


[1] NGOENHA, Severino Elias. Filosofia Africana: das independências às liberdades. Maputo: Edições Paulistas. 1993.

[2] KABENGELE, Munanga. Negritude: usos e sentidos. Coleção Cultura Negra e Identidade. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2009.

[3] Ki-ZERBO, Joseph. Para Quando África? Entrevista com René Holenstein. Tradução Carlos Aboim de Brito. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

[4] LUZ, Marco Aurélio de Oliveira. Agadá: dinâmica da civilização africano-brasileira. 2a Edição. Salvador: EDUFBA. 2000.

[5] ALTUNA, Pe. Raul Ruiz de Assúa. Cultura Tradicional Banto. Lunada: Secretariado Arquidiocesano de Pastoral. 1985.

[6] OBENGA. Teòphile. African Philosophy – The Pharaonic Period: 2780-330 BC. Dakar: Per Ankh, 2004.

[7] Op. cit.

[8] Os mortos. Esses são homenageados nos cultos dos Egunguns, masculinos e Geledés, femininos. Informações fundamentadas poderão ser encontradas em: SANTOS. Juana Elben. Os Nagô e a  Morte: Padè, Asèsè e o Culto do Egun na Bahia. Tradução Universidade Federal da Bahia. 13ª Edição. Petrópolis: Vozes. 2008. 

[9] Os mortos. Esses são homenageados nos cultos dos Egunguns, masculinos e Geledés, femininos. Informações fundamentadas poderão ser encontradas em: SANTOS. Juana Elben. Os Nagô e a  Morte: Padè, Asèsè e o Culto do Egun na Bahia. Tradução Universidade Federal da Bahia. 13ª Edição. Petrópolis: Vozes. 2008. 

Por Rosivalda Barreto

 

11 opiniões sobre “Exu: A Dialética da Religiosidade Africana que reflete na Religião Afro-Brasileira (Parte 1)”

  1. vitor costa silva disse:

    chato

  2. Kibarebi Tí´Ésú disse:

    Realmente tudo o que for a respeito do grande Senhor dos caminhos me interessa enormemente,parabéns pelo texto e saiba que eu tb estou ansioso pela continuação e aprofundamento,desejo muito Ásè!!!!!!

    • Bom dia Kibarebi Tí’Ésú
      Ficamos felizes que tenha gostado do texto, a continuação do mesmo já se encontra a disposição no blog na mesma aba.
      Boa leitura e volte sempre!

  3. Rosivalda dos Santos Barreto disse:

    Por um tempo estive afastadas por problemas técnicos (sem computador) tempo em que precisava fechar a minha dissertação e cumprir um compromisso com a UEFS, mas já estou de volta. Fico feliz com a receptividade de todos e agradeço.

  4. adorei a materia ilustrada adoro tudo sobre os orixas

  5. Jorge Noronha disse:

    Laroié!

  6. Adilbênia disse:

    Ansiosa esperando a segunda parte… falarei de EXU ao falar sobre CORPO>… em breve!

    • Rosivalda dos Santos Barreto disse:

      Fico feliz por saber da ansiedade no aguardo do próximo texto. E aí correspondi às expectativas?

      • Makuiu Rosivalda … as pessoas comentaram bastante no orkut e no face e teve um numero muito grande de acessos.. para mim o texto está maravilhoso, gosto da sua maneira de escrever.. parabens by Oluandeji

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s